Onde está o “enter” na máquina de escrever?

Sem comentários

Este slideshow necessita de JavaScript.

Há pouco mais de duas décadas havia cursos profissionais de dactilografia e as máquinas de escrever faziam parte da rotina de qualquer repartição pública. Em muito pouco tempo estão em desuso e os mais novos até perguntam onde está o enter? quando experimentam escrever numa máquina.

O fascínio é a primeira sensação quando se sobe ao primeiro piso do Museu da Máquina de Escrever na Golegã.

Entrada do museu
Entrada do museu

O manequim com as mangas de alpaca, o carimbo, a máquina de escrever e um telefone antigo remete-nos para um passado que não está muito longe.


Algumas das mais de três centenas de máquinas de escrever que estão expostas são-nos familiares e induzem uma outra sensação, um convite para o nosso envelhecimento. Mas não é verdade. É apenas o testemunho da passagem do analógico para o digital na forma de escrever, de um sistema mecanizado para um processo digital.

Máquina de escrever de 1924 e contou ainda com o envolvimento de Wellington Parker Kidder
Máquina de escrever de 1924 e contou ainda com o envolvimento de Wellington Parker Kidder

Para a Geração Z é uma novidade e quase todos se confrontam com a mesma dúvida quando experimentam uma máquina de escrever: onde está o enter?
Outra novidade é o papel químico.

Máquina alemã lançada no mercado em 1905. Foi muito popular e inovadora
Máquina alemã lançada no mercado em 1905. Foi muito popular e inovadora

O fim da produção industrial da máquina de escrever é recente. Foi em Bombaim, em Abril de 2011 que a Godrej Boyce finalizou a produção industrial. Há menos de uma década.
A massificação do computador extinguiu o uso da máquina de escrever que teve o seu auge em meados do séc. XX.

Colecção de máquinas em exposição
Colecção de máquinas em exposição

Foi um objecto importante para o comércio, os serviços e em particular para a Administração Pública. É aliás, curiosa a decisão do governo de Salazar que em 1939 impôs um teclado, o HCESAR, nome pelo qual ficou conhecido e que correspondia às primeiras letras do teclado. Peritos fizeram um estudo das letras mais comuns do português e o HCESAR passou a ser o teclado do regime.

Máquina com teclado HCESAR
Máquina com teclado HCESAR

Todos os fabricantes nacionais foram obrigados a seguir esta tipologia e só excepcionalmente era admitida a importação de máquinas de escrever com teclado diferente. Conforme está escrito no Decreto-Lei não há que estranhar a intervenção do Estado nesta matéria porque cabe na sua orientação de imprimir uma feição nacionalista a todos os ramos de actividade, disciplinando-os em benefício do País.

Nesta sociedade fechada e conservadora a máquina de escrever foi um instrumento importante para a entrada da mulher no mercado de trabalho. Era uma actividade socialmente aceite para as mulheres e foi um caminho para a emancipação, para diminuir a dependência das mulheres e exercerem uma profissão. Aprenderam em escolas de dactilografia e era uma competência determinante para quem queria seguir a carreira de secretariado.

Caixas onde se guardavam e transportavam as máquinas de escrever
Caixas onde se guardavam e transportavam as máquinas de escrever

A máquina de escrever era um objecto relativamente caro e os modelos icónicos, que apostavam no design, eram para as grandes empresas.
Algumas dessas máquinas eram pesadas e muito bonitas. O museu tem várias e a máquina mais antiga que está em exposição é uma Remington, de 1895. É contemporânea do processo de massificação do uso destas máquinas.

O Museu tem máquinas mais recentes e dirigidas a um público mais jovem e segmentado em função do género.

Fitas para máquinas de escrever
Fitas para máquinas de escrever

Além das máquina o museu tem ainda em exposição um conjunto assinalável de acessórios como borrachas para tinta, correctores, fitas, caixas e instrumentos de limpeza.

O coleccionador Artur Azinhais
O coleccionador Artur Azinhais

Todo este material é de um particular que fez o legado à Câmara Municipal da Golegã por um período de dez anos. Artur Azinhais recolheu as máquinas e os acessórios durante 30 anos.
O Museu foi inaugurado em 2013 e está inserido no edifício da Biblioteca Municipal da Golegã.

Onde está o “enter” na máquina de escrever? faz parte do podcast semanal da Antena1, Vou Ali e Já Venho, e pode ouvir aqui.
A emissão deste episódio, Onde está o “enter” na máquina de escrever?, pode ouvir aqui

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s