Vamos partir pedra a Alcains

Sem comentários

Este slideshow necessita de JavaScript.

O canteiro está em extinção. Milhares de portugueses trabalhavam a pedra, ornamentavam casas e praças há apenas algumas décadas. Hoje já não existem.

O saber era transmitido de geração em geração, muitas vezes na própria família mas as últimas gerações emigraram ou preferiram outras profissões.

Relógio solar feito em pedra e em exibição no museu
Relógio solar feito em pedra e em exibição no museu

Em Alcains, há pouco mais de meio século, havia cerca de 500 canteiros. Ainda vivem dois ou três mas já não trabalham.

Para preservar o conhecimento e as práticas do canteiro, por iniciativa da população de Alcains, foi criado o Museu do Canteiro. Está instalado no solar Ulisses Pardal, que tem igualmente um belo trabalho de cantaria.

A exposição com utensílios, imagens, trabalhos em granito e textos didáticos ilustram o trabalho meticuloso, paciente e árduo do canteiro.

Colocação de cunhas para partir a pedra
Colocação de cunhas para partir a pedra

Percebe-se, por exemplo, como cortavam a pedra, com cunhas de madeira que eram molhadas e era a dilatação da madeira que provocava a fenda na pedra. As cunhas eram colocadas em linha e o canteiro definia esse traço em função da textura do granito ou da ardósia. Em blocos maiores faziam buracos na pedra para colocar a pólvora.
O corte, os efeitos ornamentais e a utilização dos vários blocos exigiam um conhecimento especializado entre os próprios canteiros.

Máquina utilizada pelos canteiros
Máquina utilizada pelos canteiros

Muito do trabalho dos canteiros era feito na pedreira. Partiam ao nascer do dia e regressavam ao por do sol. O almoço era levado numa cesta de verga e as condições de trabalho eram improvisadas.

Máquina para içar as pedras de grande dimensão
Máquina para içar as pedras de grande dimensão

Pequenas oficinas ou estaleiros onde era frequente contraírem doenças nos olhos, pulmões e a terrível silicose provocada pelo pó da pedra.
Ganhavam ao dia ou à peça, o trabalho era mal remunerado e começou a ser pouco competitivo com o inicio da mecanização. Por exemplo, com o fio helicoidal, era muito mais rápido e eficaz o corte da pedra e permitia ainda o corte de enormes blocos de pedra que os artesãos não conseguiam com as cunhas de madeira ou ferro.

A indústria ganhou espaço ao artesão que passou a trabalhar na oficina mais como técnico de uma linha de produção mecanizada.

Interior do Museu
Interior do Museu

A profissão de canteiro foi também perdendo a sua relevância porque a função social da cantaria, a ostentação, a afirmação de um estatuto foi substituída por outros objectos.

O antropólogo Jorge Dias referia que o tamanho das portas das casas assinalava a relevância social e económica do proprietário.

Entrada do solar
Entrada do solar

A cantaria era outro processo de manifestação do estatuto social de uma família ou de uma organização.
Os novos ricos de hoje fazem a ostentação de forma diferente, substituíram o granito pelas câmaras de vigilância.

Vamos partir pedra a Alcains  faz parte do podcast semanal da Antena1, Vou Ali e Já Venho, e pode ouvir aqui.
A emissão deste episódio, Vamos partir pedra a Alcains , pode ouvir aqui

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s