Azinhaga de Saramago é lugar de emoções

Sem comentários

Este slideshow necessita de JavaScript.

Uma mulher veio de Dusseldorf, apanhou um táxi em Lisboa para a Azinhaga, esteve aqui algumas horas e depois regressou à Alemanha. É frequente visitantes chorarem quando tocam nos livros. O escritor a sua obra ainda são uma fonte de emoções fortes.

O contexto pode contribuir para uma vivência intensa.

Entrada na Fundação José Saramago na Azinhaga
Entrada na Fundação José Saramago na Azinhaga

A fotografia do Zezito na entrada da antiga escola primária aviva a memoria de infância que remonta a 1922, data do nascimento de José Saramago na Azinhaga, no concelho da Golegã.

Hoje a escola primária é uma delegação da Fundação José Saramago.
Além da biblioteca e de recortes de imprensa que relatam a presença e o relacionamento de Saramago com a sua terra natal, há também objectos mais pessoais.

Cama dos avós. Falta a cabeceira que tinha sido levada para uma expoisção
Cama dos avós. Falta a cabeceira que tinha sido levada para uma expoisção

É o caso da cama dos avós e que chegou a servir de abrigo a alguns animais nas noites de frio conforme relatou o escritor no discurso em que recebeu o Prémio Nobel em 1998.
A cama foi descoberta pelo então presidente da Junta de Freguesia, Vitor Guia, e cumpriu ainda outro objectivo: satisfazer um sentido desejo de Saramago que disse pagar uma fortuna para por as mãos em cima daquela cama.

Lavatório que também está no quarto e de cor rosa velho
Lavatório que também está no quarto e de cor rosa velho

Conseguiram descobrir as cores originais onde domina o rosa velho. A cabeceira da cama tem ainda algumas flores amarelas e verdes e na altura em que visitei a Azinhaga estava a caminho da cidade brasileira de Porto Alegre para uma exposição sobre José Saramago.
A cama é hoje um dos elementos mais relevantes nos artigos pessoais em exposição, por aquilo que ela representa.

Azinhaga - Fundação J. Saramago
Azinhaga – Fundação J. Saramago

Nos últimos anos de vida o escritor visitou várias vezes a Azinhaga e chegou a avaliar o desejo da Junta de ser aberto um espaço a José Saramago. Em 2006 decidiram avançar com uma extensão da Fundação de Lisboa.

Primeiras instalações da Fundação
Primeiras instalações da Fundação

As primeiras instalações foram num edifício que desempenhou várias funções, inclusive de prisão e José Saramago até se lembrou de ter visto lá o seu tio detido porque roubou uma galinha à mãe, avó de Saramago.

Estátua de Saramago
Estátua de Saramago

As antigas instalações da Fundação são também próximas da casa onde nasceu e mesmo em frente está uma estátua de Saramago que reúne o consenso como um dos lugares mais fotografados na Azinhaga.
Esta escultura é uma excepção na vida do escritor. Recusou sempre que em vida lhe fizessem qualquer escultura.

Estátua de Saramago
Estátua de Saramago

Vitor Guia sabia disso e numa noite, na casa de Lanzarote, fez o desafio a Saramago. Com pouca esperança mas usou um argumento que sensibilizou o escritor: a estátua era exclusivamente da iniciativa de leitores, não havia qualquer investimento público e era apenas a forma de muitas pessoas manifestarem lhe manifestarem o seu apreço. Assim se fez a excepção à regra e a estátua é um dos ícones da Azinhaga.

Jardim em frente da Fundação
Jardim em frente da Fundação

No livro As Pequenas Memórias, Saramago conta recordações dos quatro aos quinze anos da vida e algumas são relativas à Azinhaga como é o caso do campo de futebol que hoje é um bonito jardim e que está mesmo em frente das instalações da Fundação.

Algumas destas recordações são citadas em painéis de azulejos espalhados pela Azinhaga, designadamente ao longo de um percurso que acompanha o Rio Almonda.

Excerto de As Pequenas Memórias no passadiço ao lado do rio
Excerto de As Pequenas Memórias no passadiço ao lado do rio

Saramago retomou alguns destes percursos nas visitas que fez à Azinhaga. Uma delas foi em 1988 quando foi distinguido com o nome de uma rua. As visitas tornaram-se mais assíduas a partir de 2005 quando foi estabelecida uma relação mais próxima com Vítor Guia, na altura Presidente da Junta de Freguesia.

Biblioteca da Fundação
Biblioteca da Fundação

Inclusive, em 2006 foi feito na Azinhaga o lançamento do livro As Pequenas Memorias. As pessoas da aldeia organizaram uma festa, Saramago fazia anos e o pavilhão encheu. Duas mil pessoas. Na altura Saramago ficou emocionado, disse que só não chorava por vergonha e este ficou um dia inesquecível para a Azinhaga.

Réplica de barco avieiro
Réplica de barco avieiro

O projeto da Fundação José Saramago é alargar este roteiro e cruzar com outras vivências da aldeia contemporâneas do escritor como é exemplo a comunidade avieira.

Um dos vários chafarizes antigos que foram restauurados
Um dos vários chafarizes antigos que foram restaurados

Há ainda uma casa tipicamente avieira e uma réplica dos barcos que utilizavam.
Azinhaga tem ainda casas com arquitectura rural e vários chafarizes com bomba de água muito bem conservados.

Azinhaga de Saramago é lugar de emoções faz parte do podcast semanal da Antena1, Vou Ali e Já Venho, e pode ouvir aqui.
A emissão deste episódio, Azinhaga de Saramago é lugar de emoções, pode ouvir aqui

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s