Amieira do Tejo: duas capelas, um castelo e um enigma

One comment

Um castelo num declive e uma capela com uma imagem de um órgão sexual não é comum mas é o que encontramos na Amieira do Tejo.

Para quase tudo há uma explicação mas para a reprodução do órgão sexual na abóbada da Capela de São João Batista ainda não foi encontrada.

Esgrafito na Capela de São João Batista
Esgrafito na Capela de São João Batista

A melhor justificação poderá ser a temática das representações que simbolizam a vida e a natureza. Na figura ao centro, dentro de um círculo, está representada uma mulher e rodeada de imagens do órgão sexual do homem o que poderá ser interpretado como o símbolo da fecundação e da vida.

Esgrafitos na abóbada
Esgrafitos na abóbada

Por causa deste enigma, segundo João Godinho do Turismo da Amieira, têm sido realizados vários estudos para tentar descodificar as imagens.

A capela está junto do castelo, a construção é de 1556 e a imagem faz parte de um conjunto diversificado de representações em esgrafito colocadas em caixotões no teto. Uma área tão grande de esgrafitos para efeitos decorativos  não é vulgar em Portugal. A técnica do esgrafito era usual na região de Nisa mas em pequenos formatos.

S. João Batista
S. João Batista

A Capela é de estilo renascentista e no altar tem uma imagem de S. João Batista. É original embora tenha sido restaurada há algum tempo.
S. João Batista foi o padroeiro da Ordem dos Hospitalares a quem o rei delegou a gestão do castelo e este território.

O castelo está classificado como Monumento Nacional é do século XIV e foi mandado construir pelo Prior do Crato, o pai de Nuno Álvares Pereira. Álvaro Gonçalves Pereira viveu aqui alguns anos e alternava a residência com o Crato.

 

Castelo da Amieira do Tejo
Castelo da Amieira do Tejo

Está num declive porque o propósito inicial era servir como residência. Esta é também a razão porque se encontram vestígios de pinturas decorativas.

Pinturas decorativas numa das torres do castelo
Pinturas decorativas numa das torres do castelo

Percebe-se que retratam pessoas e cavalos mas podiam ser mais perceptíveis se não tivessem colocado reboco quando das obras de restauro há cerca de cem anos.

O prior do Crato viveu no castelo alguns anos, na torre de menagem, e depois a estrutura passou a ter uma função defensiva junto com outros castelos constituindo uma linha de proteção do Tejo. Terá sido nesta altura que foram construídas duas prisões, cada uma em sua torre e ao olharmos através das grades ficamos surpreendidos com a altura e arrepiados com as condições impostas aos presos.

Interior do castelo
Interior do castelo

Após uma longa época de abandono o castelo até funcionou como prisão e cemitério da aldeia. Foi entretanto recuperado, as últimas obras foram há cerca de seis anos e podem-se visitar as quatro torres e andar nas muralhas.

Interior do castelo e a torre de menagem
Interior do castelo e a torre de menagem

A torre maior é a de menagem. Tem mais de 20 metros de altura e é um espaço utilizado para exposições. Há uma exposição permanente sobre a história do castelo e mostras temporárias. Nesta altura podem ser vistas fotografias pertencentes às pessoas da Amieira do Tejo e foram tiradas em meados do século passado.

Vista para Amieira
Vista para Amieira

Apesar de se situar num declive, o castelo tem uma vista interessante. De um lado a serra com destaque para um fontanário branco e azul que chama logo a atenção. Do castelo temos ainda vista para o vale do Tejo e também para a Amieira.

Capela do Calvário
Capela do Calvário

No alto do casario sobressai a Capela do Calvário, um bonito edifício em pedra do século XVIII e que está classificado como Imóvel de Interesse Público.
Substitui uma outra capela que foi demolida para dar lugar à construção da atual.
É grande e reluz ao pôr do sol. Há no entanto uma discussão que já se arrasta há algum tempo sobre o pinheiro que está em frente e que tapa a vista da fachada principal.

O pinheiro a tapar a vista da capela
O pinheiro a tapar a vista da capela

Há quem diga que deve ser derrubado para melhorar o postal ilustrado. Por enquanto ainda lá está.
A visita à Amieira do Tejo tem de ser complementada com um passeio ao lado do rio e também com uma ida à Barca da Amieira onde antes uma barca fazia a travessia dos carros.

Rua em Amieira do Tejo
Rua em Amieira do Tejo

Amieira do Tejo pertence ao concelho de Nisa e especula-se que a sua origem remonta ao tempo dos lusitanos.

Amieira do Tejo: duas capelas, um castelo e um enigma faz parte do podcast semanal da Antena1, Vou Ali e Já Venho, e pode ouvir aqui.
A emissão deste episódio, Amieira do Tejo: duas capelas, um castelo e um enigma, pode ouvir aqui

 

1 comments on “Amieira do Tejo: duas capelas, um castelo e um enigma”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s