A Praia da Tocha é como as dunas

Sem comentários

Este slideshow necessita de JavaScript.

A Praia da Tocha oferece a oportunidade de viver e sentir uma cultura que corre o risco de desaparecer.
É aproveitar agora porque nesta terra tudo muda, como as dunas.
O postal ilustrado são os palheiros que ainda existem, a arte xávega que corre o risco de extinção a médio prazo e a batata assada na areia que é um prato típico mas raro porque é proibido fazer fogueira na praia.

Praia da Tocha
Praia da Tocha

Na verdade, com esta apresentação, faz sentido as palavras de Paulo Delgado que há 31 anos vive aqui e é apaixonado pela Praia da Tocha. De tal forma, que até se casou no areal.

Palheiros na Tocha
Palheiros na Tocha

É um profundo conhecedor da cultura e das gentes da praia e ele próprio adianta que se trata de um lugar com características muito especiais – “os palheiros usados pelos pescadores estão a desaparecer porque na década de 70 as casas de madeira foram conotadas com a miséria e muitos foram destruídos”.

Palheiros na Tocha
Palheiros na Tocha

Os poucos que existem são o símbolo da Praia da Tocha. A maioria estão nas ruas próximas da praia. Alguns foram recuperados outros mantêm a traça, não a original, mas de algumas décadas atrás e são muito pequenos. A juntar aos palheiros, outra característica da Praia é a comunidade de pescadores com a arte Xávega.

Réplica de um barco no Centro de Arte Xávega
Réplica de um barco no Centro de Arte Xávega

A arte xávega é uma técnica de pesca de arrasto secular e que tem forte afirmação nesta região. Numa das entradas na praia são visíveis vários palheiros com os barcos e os instrumentos de pesca. A arte tem sofrido alguma evolução.

Área onde guardam os barcos e os utensílios para a apesca
Área onde guardam os barcos e os utensílios para a apesca

As redes são colocadas em alto mar e um dos cabos fica em terra (“mão de terra”). Os pescadores descrevem um semi-circulo e trazem depois a outra ponta para terra. As redes têm bóias e na zona central está um saco de rede. Antes as redes eram arrastadas até ao areal por pessoas e agora é por tratores.
Outra mudança tem a ver com entrada do barco no mar. A tradição era ser empurrado na areia e depois quebrar a onda. É por isso que têm o formato de “meia-lua”.

Pintura que retrata um barco com rodas. A pintura está no Centro de Arte Xávega
Pintura que retrata um barco com rodas. A pintura está no Centro de Arte Xávega

Agora os barcos têm rodas e vão com elas para o mar.

Os grupos de pescadores que ainda fazem esta arte são as companhas e são liderados pelo arrais. Na Praia da Tocha há duas companhas mas Paulo Delgado antecipa o risco de extinção desta actividade a médio prazo porque os pescadores têm alguma idade e são poucos os que estão disponíveis para se iniciarem nesta profissão.)

Barco de arte xávega no mar
Barco de arte xávega no mar

A actividade da pesca tem riscos elevados e o proveito é reduzido (além de sazonal).
Por outro lado, esta região sofreu uma forte vaga de emigração.
São factores que podem levar à extinção da arte xávega na Praia da Tocha, tal como sucedeu em outros locais e onde a reminiscência desta arte de pesca é mais para fins turísticos.

Mais difícil é a salvaguarda de um prato típico daqui: a batata assada na praia.

Pintura que retrata a batata assada na praia. A pintura está no Centro de Arte Xávega
Pintura que retrata a batata assada na praia. A pintura está no Centro de Arte Xávega

Não é preciso sal, a areia onde é feito o prato dá o tempero. O problema é que é proibido fazer fogueiras na praia. A alternativa é levar a areia para outro lado ou aproveitar um evento realizado pela Associação de Moradores de Praia da Tocha que organiza todos os anos em Agosto com sardinha asada na telha e batata assada na areia

A Associação de Moradores da Praia da Tocha é muito dinâmica, organiza ainda a mostra de Curtas-Metragens Marmostra (a edição deste ano é em Julho) e gere também o Centro de Interpretação da Arte Xávega.

Interior do Centro Interpretativo de Arte Xávega
Interior do Centro Interpretativo de Arte Xávega

É um espaço que fica em frente do areal e onde existem muitos materiais que ajudam a explicar o que é arte xávega, como se fazia há várias décadas e a evolução que sofreu. Há também fotografias e pinturas que ilustram o dia-a-dia da comunidade piscatória.

Biblioteca de praia
Biblioteca dentro do areal

O Centro Interpretativo é da Câmara Municipal de Cantanhede que tem uma outra estrutura pública interessante: uma biblioteca no interior do areal.

A praia é muito extensa. Tem uma areal grande e também uma zona com dunas. Nos últimos anos foi galardoada com a Bandeira Azul e qualidade de ouro.

Parque de campismo
Parque de campismo

Há um parque de campismo na entrada da área urbana.

A Praia da Tocha é como as dunas faz parte do podcast semanal da Antena1, Vou Ali e Já Venho, e pode ouvir aqui.
A emissão deste episódio, A Praia da Tocha é como as dunas, pode ouvir aqui.

O Vou Ali e Já Venho tem o apoio:
Af_Identidade_CMYK_AssoMutualistaAssinaturaBranco_Baixo

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s