O castelo de Montemor-o-Velho que guarda a Senhora do Ó

O castelo de Montemor-o-Velho é uma das maiores fortificações em Portugal. A sua origem é árabe e teve um papel importante na defesa do Mondego e de Coimbra no período da Reconquista.

Ainda hoje se percebe a sua imponência e a vista ampla que alcança. É também um museu ao ar livre com dez séculos de história.
site_montemor_castelo_DSCF8457Conforme conta Sandra Lopes, responsável de Cultura e Turismo de Montemor-o-Velho, no castelo encontramos vestígios artísticos e arquitectónicos com vários séculos. Praticamente desde a época medieval até ao século XX.

Paço das Infantas
Paço das Infantas

Isso é perceptível nas várias fases da construção da muralha, na Igreja de Santa Maria da Alcáçova que é de 1090 e no Palácio das Infantas que é também medieval e do qual restam algumas paredes.

Igreja de Santa Maria da Alcáçova
Igreja de Santa Maria da Alcáçova

Uma das construções mais fascinantes é a Igreja de Santa Maria da Alcáçova. Mantém alguns traços medievais e foi profundamente remodelada no século XVI onde foram introduzidos alguns elementos renascentistas. É exemplo uma capela com figuras policromadas e um santuário da escola de João de Ruão.

Representação da Senhora do Ó
Representação da Senhora do Ó

A cabeceira da igreja tem mais duas capelas e a do lado esquerdo é a da Senhora do Ó que está ainda na sua forma original. Esta estátua da Senhora do Ó é do século XIV e constitui um mistério que só o povo pode esclarecer.
A representação da Senhora com a mão esquerda sobre o ventre arredondado devido à gravidez não agradava à Igreja no final do século XIX porque não correspondia ao dogma da Imaculada.

Ainda se encontra na versão original
Ainda se encontra na versão original

 Foi então mandada retirar de muitas igrejas. No entanto, o moralismo conservador não foi correspondido pelo povo que as escondeu, em alguns casos no próprios altares. Presume-se que foi isto que sucedeu em Montemor-o-Velho. O certo é que o povo a escondeu e da mesma forma, de modo sigiloso, regressou ao altar cerca de um século depois.

Trabalho em Pedra de Ançã de João de Ruão
Trabalho em Pedra de Ançã de João de Ruão

Como a igreja está despida de mobiliário destacam-se as figuras religiosas, os pilares em pedra trabalhada, os túmulos e a pia baptismal rodeada de azulejos em tons muito vivos.

Espaço interior do castelo com a igreja e as muralhas
Espaço interior do castelo com a igreja e as muralhas

A igreja tem sino mas quem dá as horas é o relógio, uma das torres do castelo que foi adaptada no final do século XIX a esta função.

Onde vai a barbacã
Onde vai a barbacã

Podemos passear pelas muralhas e subir à torres de onde apreciamos a vista e percebemos como a segunda muralha, a barbacã, se alargava pela encosta. Foi construída no século XIV e nesta altura o castelo já tinha perdido relevância defensiva.

Paço das Infantas
Paço das Infantas

É também no fim da sua utilização militar que é reformulado o Paço Real ou das Infantas. Restam algumas paredes.

No Paço encontra-se o Posto de Turismo
No Paço encontra-se o Posto de Turismo

O recorte das ruínas e o enquadramento paisagístico transformam este lugar num recanto.
site_montemor_castelo_DSCF8516O acesso ao castelo pode ser feito por escadas rolantes a partir do centro de Montemor-o-Velho. Na zona urbana há ainda para descobrir o Convento de Nossa Senhora dos Anjos, o Pórtico dos Pina e o Teatro Esther de Carvalho, construído em 1882 a partir de uma antiga capela.

Fachada do Teatro Esther de Carvalho
Fachada do Teatro Esther de Carvalho

Destaca-se a sua fachada devido ao frontão triangular e com dois medalhões onde estão os bustos de Almeida Garrett e do actor Taborda, O edifício está classificado como de Interesse Público.

O castelo de Montemor-o-Velho que guarda a Senhora do Ó faz parte do programa da Antena1, Vou Ali e Já Venho, e a emissão deste episódio pode ouvir aqui. O Vou Ali e Já Venho tem o apoio:Af_Identidade_CMYK_AssoMutualistaAssinaturaBranco_Baixo