Retomar os laços na sinagoga de Castelo de Vide

A judiaria e a sinagoga são marcos do centro histórico de Castelo de Vide e ao percorrermos as ruas da encosta do castelo descobrimos, recanto após recanto, sinais da herança judaica.


Como refere Glória Montinho, técnica de turismo, há muitas casas com características judaicas, com a porta para a residência no primeiro piso e ao lado a porta mais larga para a loja destinada ao comércio ou oficinas de artesãos.

Rua da judiaria de Castelo de Vide
Rua da judiaria de Castelo de Vide

São ruas estreitas, sinuosas e em castelo de Vide têm a particularidade de terem dois ou três pisos.
A sinagoga está no alto de uma rua muito íngreme que vai dar à icónica Fonte da Vila.
SinagogaÉ um pequeno edifício e tem uma excelente vista para a área urbana e algumas montanhas do Parque Natural da Serra de S. Mamede.
Pode-se praticar o culto na sinagogaA sinagoga tem vários objectos em exposição e alguns são achados arqueológicos, como refere Alexandra Carapito que recebe os visitantes. Foram encontrados em escavações realizadas nos silos da casa.
Outros foram oferecidos por membros da comunidade judaica em Portugal.

Uma Torá
Uma Torá

Podemos ver ainda alguns objectos que são utilizados no culto e também informação sobre a passagem dos judeus por castelo de Vide.
Alguns residiram aqui e um dos maiores vultos foi Garcia de Orta que nasceu em Castelo de Vide, foi um médico ilustre e também investigador de outras práticas medicinais como por exemplo na Índia.

Miniatura de uma Torá
Miniatura de uma Torá

No presente ainda se verifica uma relação forte com o passado e há visitantes que vêm aqui reconstituir alguns desses laços e procurar as suas raízes.

A judiaria vista do castelo de Castelo de Vide
A judiaria vista do castelo de Castelo de Vide

A judiaria de Castelo de Vide terá sido mais dinâmica no século XV, depois da expulsão dos judeus de Espanha mas depois teve o declínio com a perseguição em Portugal.

Evocação da perseguição aos judeus em Portugal junto à Fonte
Evocação da perseguição aos judeus em Portugal junto à Fonte da Vila

O edifício da sinagoga acompanhou de certa forma esse evoluir e sofreu profundas alterações.

Cunho dos artesãos nas moedas
Cunho dos artesãos nas moedas

Em 1972 foi reconstruída de acordo com a traça original e mais recentemente foi adaptada a museu.
O bairro da judiaria preserva no entanto algumas casas onde judeus desenvolveram a sua actividade comercial ou de artesãos. Um dos exemplos é a oficina de ferreiro.

Museu Mestre Carolino
Museu Mestre Carolino

Na rua Nova eram 12 os ferreiros e a maioria de cristãos novos. Uma das últimas oficinas a fechar foi a do Mestre Carolino e foi também adaptada a museu. No interior encontram-se inúmeros instrumentos e muitos mais objectos alguns com mais de 500 anos. Há também cartazes da República.

A judiaria e o castelo de Marvão visto do castelo de Castelo de Vide
A judiaria e o castelo de Marvão visto do castelo de Castelo de Vide

Fechamos o roteiro alargando-o ao concelho de Marvão, vizinho de Castelo de Vide. A começar pelo lugar de Portagem. Uma ponte e uma torre sobre o rio Sever. Era o ponto de passagem entre Portugal e Espanha. Foi o caminho de muitos judeus expulsos de Espanha. Para Castelo de Vide foram mais de 4 mil, em 1492.

Placa evocativa da passagem dos judeus em Portagem
Placa evocativa da passagem dos judeus em Portagem

Outros ficaram na Portagem e na torre há uma placa alusiva a esta passagem.
Cabeceira de uma sepultura com a MenoráNo Museu municipal há ainda duas cabeceiras de sepultura, medievais, com inscrição da Menorá, o candelabro de sete braços e um dos símbolos judaicos mais antigos.

Alexandra Carapito
Alexandra Carapito

Retomar os laços na sinagoga de Castelo de Vide faz parte do programa da Antena1, Vou Ali e Já Venho, e a emissão deste episódio pode ouvir aqui.

O Vou Ali e Já Venho tem o apoio:Af_Identidade_CMYK_AssoMutualistaAssinaturaBranco_Baixo