Nova vida para o bairro ferroviário Camões

O Camões é um dos quatro bairros ferroviários no Entroncamento e em breve vai ter vida nova. Há um projecto de reabilitação das 32 moradias que têm um valor patrimonial relevante porque é o primeiro exemplo da “cidade jardim” adaptado a Portugal.


As casas têm um pequeno jardim ou quintal e as ruas arborizadas. Ao lado, próximo da estrada está a Escola Camões, um edifício grande, com um enorme jardim e no interior é ainda possível ver a decoração com azulejos.

Escola Camões
Escola Camões

No tempos áureos foi um colégio para formação técnica dos trabalhadores dos caminhos de ferro e também para os jovens do Entroncamento.

site_bairro_camoes_0322O Bairro Camões está a fazer quase um século. Foi construído em 1926 e além da arquitectura modernista da autoria dos arquitectos Cottinelli Telmo (também cineasta, realizador do filme “A Canção de Lisboa”) e Luis Cunha, tem a particularidade de ter a Escola Camões.

site_bairro_camoes_0309Muitas casas e a escola estão desocupadas. Taparam portas e janelas e a escola Camões, que também vai ser sujeita a restauro, foi vandalizada.
José Oliveira é ferroviário, vive no bairro há 40 anos.

Entrada da escola
Entrada da escola

Lamenta que o estado a que chegou a escola e reconhece que para evitar a repetição na área residencial foi necessário tapar os acessos às moradias desocupadas que são a grande maioria.
site_bairro_camoes_0320Das 32 habitações só três estão ocupadas. Cada família vivia num piso mas antes as casas pertenciam a engenheiros e pessoal qualificado da Companhia dos Caminhos de Ferro e alguns ocupavam os dois pisos.
site_bairro_camoes_0317As casas estão concentradas em quatro ruas muito arborizadas e as que estão habitadas revelam o gosto da casa jardim do arquiteto Cottinelli cujo nome está inscrito em azulejos numa parede do colégio, próximo da entrada do bairro que funcionava como um condomínio fechado.
site_bairro_camoes_0306José Oliveira recorda-se de haver um funcionário da CP na entrada que só deixava entrar quem tivesse um cartão.
Esta entrada estava ladeada de duas estátuas de mochos que, entretanto, desapareceram mas continuam nas memórias de Amílcar Graça. Por isso chamavam ao Camões o “bairro dos mochos”.

Amilcar Graça
Amilcar Graça

Amílcar lembra-se bem porque andou a estudar na Escola Camões e formou-se como jogador de futebol no campo ao lado da Escola, que era do Ferroviário. Amílcar jogou aqui cerca de uma década e depois foi para Setúbal onde foi jogador profissional durante dois anos. Era guarda-redes.

Casa do bairro ao lado da avenida entre o Camões e o Museu Ferroviário
Casa do bairro ao lado da avenida entre o Camões e o Museu Ferroviário

As instalações do Ferroviário também estão abandonadas como muitas outras habitações ao longo da avenida quase até ao final, onde está o Museu Ferroviário e um outro bairro.

Bairro do Boneco
Bairro do Boneco

É também fechado e tem o nome de Bairro do Boneco. Muitas das casas onde viveram os ferroviários estão fechadas com a vida a expressar-se apenas nas plantas que ainda continuam a decorar o que eram os jardins das habitações e a afirmação de modernidade.
José OliveiraNova vida para o bairro ferroviário Camões faz parte do programa da Antena1, Vou Ali e Já Venho, e a emissão deste episódio pode ouvir aqui.

O Vou Ali e Já Venho tem o apoio:Af_Identidade_CMYK_AssoMutualistaAssinaturaBranco_Baixo

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s