Ler e contar histórias nas bibliotecas escolares

O meu salto de livros de banda desenhada para os clássicos da literatura foi dado numa carrinha da Gulbenkian. As famosas bibliotecas itinerantes.
Ainda há algumas que levam sonhos, saber e outros serviços a lugares mais isolados.site_biblioteca_c_branco_6636 O acesso ao livro agora é mais fácil. As bibliotecas municipais e as mais de 2.400 bibliotecas escolares constituem uma excelente oferta para o prazer da leitura. E o encantamento começa muito cedo, no pré-escolar, e vai até ao primeiro ciclo.


Na experiência de Pedro Gomes, coordenador interconcelhio na Rede de Bibliotecas Escolares, “é um publico muito cativado pelos álbuns ilustrados e são crianças que têm disposição para descobrir o livro.

Biblioteca Municipal de Castelo Branco
Biblioteca Municipal de Castelo Branco

A partir do segundo ciclo surgem as primeiras resistências porque o curriculum começa a ser um pouco disperso. É nesta fase que aparecem crianças com mais incidência a dizerem que não gostam de ler. Os professores bibliotecários têm um papel importante a desempenhar com cada caso. Em primeiro lugar, descobrir o motivo do desagrado da leitura e depois propiciar ofertas diversas que possam corresponder ao desejo da criança.”
site_biblioteca_c_branco_6687Pedro Gomes é um dos cerca de 50 coordenadores interconcelhios e acompanha 55 bibliotecas escolares e também a envolvência com bibliotecas municipais e autarquias ao longo da Raia, entre Vila Velha de Ródão e Figueira de Castelo Rodrigo.
site_biblioteca_c_branco_6643É um território de profundas clivagens económicas, sociais e culturais e a inclusão é um objetivo prioritário para que todas as crianças possam ter o prazer da leitura, “assegurando uma oferta diversificada de livros para abranger o maior número possível de alunos”
site_biblioteca_c_branco_6676A inclusão e a sedução à leitura não se faz apenas através do livro nos seus múltiplos formatos. Contar e ouvir histórias é um encanto que contagia a comunidade, especialmente numa região profundamente envelhecida. site_biblioteca_c_branco_6629Conta Pedro Gomes que são desenvolvidas várias iniciativas que envolvem pessoas de mais idade que vão contar histórias de vida. “Não é o livro físico. São pessoas que relatam as suas experiências de vida – a biblioteca humana –  e as suas histórias enchem uma sala e o sorriso de crianças e adultos.”
site_biblioteca_c_branco_6630Entre os muitos projetos que estão a ser desenvolvidos pelas bibliotecas escolares, destaca-se, por exemplo, no Fundão uma iniciativa  que “envolveu alunos dos cursos profissionais que têm conhecimento de geriatria e foram contar histórias às pessoas de mais idade.” Outro exemplo narrado por Pedro Gomes é em Pinhel onde há uma rádio escolar.
site_biblioteca_c_branco_6686Em Castelo Branco convidam atores para contarem histórias e todos os meses a família vai ler à Biblioteca Municipal. No mês passado vários professores tiveram uma ação de formação sobre como contar histórias.
São vários os exemplos de ações que ao longo de mais de 20 anos têm sido realizadas e os resultados são encorajadores. “Temos fantásticos alunos que gostam de ler e isso é notório quer na presença deles nas bibliotecas, quer na taxa de requisição de livros e também na participação de iniciativas a nível nacional. Há um conjunto diversificado de projetos que sentimos que os alunos abraçam.”
site_biblioteca_c_branco_6695Muitas destas iniciativas realizam-se em espaços públicos ou bibliotecas municipais onde somos convidados a participar e a partilhar o prazer de ouvir e contar uma boa história.
site_biblioteca_c_branco_6680A Rede de Bibliotecas Escolares é um programa lançado em 1996 e na sua génese esteve o objetivo de instalar e desenvolver bibliotecas em escolas públicas de todos os níveis de ensino.
O programa aposta em parcerias com muitas outras instituições ou programas como o Plano Nacional de Leitura.
site_pedro_gomes_6657Pedro Gomes coordenador interconcelhio das Bibliotecas Escolares na Beira Interior e AltaLer e contar histórias nas bibliotecas escolares faz parte do programa da Antena1, Vou Ali e Já Venho, e a emissão deste episódio pode ouvir aqui.

O Vou Ali e Já Venho tem o apoio:Af_Identidade_CMYK_AssoMutualistaAssinaturaBranco_Baixo

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s