Igreja da Memória do tiro ao rei

A igreja da Memória tem vários nomes. Também é designada por de Nossa Senhora do Livramento ou de S. José. Todas estas designações remetem para o motivo porque foi construída.
site_memoria_DSCF2350Foi neste local que o rei D. José sofreu um atentado em 1758. Três anos depois do tremor de terra de 1755.

Alegoria do sec. XVIII ao atentado contra o rei D. José, que teria tido proteção divina. Autor Vieira Lusitano
Alegoria do sec. XVIII ao atentado contra o rei D. José, que teria tido proteção divina. Autor Vieira Lusitano

Na altura, a família real vivia na Ajuda e o rei estaria a regressar de um encontro amoroso, extraconjugal, com uma mulher da família dos Távora.
site_memoria_DSCF2326O rei escapou aos tiros mas não os Távoras. Foram posteriormente executados porque atribuíram à família a tentativa de homicídio do rei.
O processo judicial teve D. José como mandante e quem o organizou foi o Marquês de Pombal.
site_memoria_DSCF2348Num gesto de agradecimento, por ter escapado com vida ao atentado, o rei mandou construir esta igreja. As obras começaram em 1760.
site_memoria_DSCF2352O projeto é da autoria de um arquiteto italiano que, entretanto, faleceu, como também o rei e a igreja ia ficando sem memória.
O edifício é muito bonito e tem uma fantástica localização. Tem vista para o Tejo e está no meio de um terreno amplo, com algumas árvores, que não impedem a perceção da imponência da igreja.
site_memoria_DSCF2328Designadamente, a enorme cúpula e uma grande quantidade de janelas que deixam entrar luz natural.
site_memoria_DSCF2357O interior também é em calcário e no lado direito, num pequeno compartimento, está uma urna castanha com os restos mortais do Marquês de Pombal. A urna está assente numa base de pedra. A fechadura e uma estrutura metálica que contorna a urna acentuam a rigidez da forma.
site_memoria_pombal_DSCF2330O elemento mais suave é a luz natural que entra por uma janela que está mesmo ao lado.
site_memoria_pombal_DSCF2336A trasladação foi em 1923 e, de certa forma, redime o ostracismo a que o Marquês de Pombal foi votado por D. Maria I, filha de D. José. Um dos motivos teria a ver com o desagrado da rainha pelo extermínio da linhagem dos Távoras.
site_memoria_pombal_DSCF2333O marquês, que chegou a ter alguns litígios com a Igreja, já para não falar dos Jesuítas, tem agora os restos mortais ao lado da nave central da igreja. O compartimento tem sempre a porta aberta e o marquês é o mais assíduo aos rituais religiosos.
site_memoria_DSCF2351Igreja da Memória do tiro ao rei faz parte do programa da Antena1, Vou Ali e Já Venho, e a emissão deste episódio pode ouvir aqui.

O Vou Ali e Já Venho tem o apoio:Af_Identidade_CMYK_AssoMutualistaAssinaturaBranco_Baixo

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s