Elvas “a chave do reino”

Elvas tem o maior sistema de defesa com baluartes do Mundo e, recorrendo a uma metáfora, podemos dizer que é uma cidade à prova de bala ou a tiro de canhão.
site_elvas_fortaleza_3631Na ficção científica, seria “a base da Guerra das Estrelas”. Passo a citar que conhece bem a cidade, Margarida Ribeiro:  “Elvas é uma cidade quartel. Não é um quartel. É a cidade. Toda a logística está planeada para militares de civis”.
site_elvas_fortaleza_1086Na verdade, toda a paisagem urbana é marcada por fortalezas e muralhas. As perspetivas da cidade revelam quase sempre estruturas bélicas e a arte de fazer a guerra. site_elvas_fortaleza_porta_3959A arte exclusivamente ornamental que vemos, por exemplo, numa das portas de acesso à fortaleza com a coroa real, como também, na arquitetura de fortes e fortins.

Não é desse modo estranho que o conjunto fortificado de Elvas tenha sido classificado como Património da Humanidade em 2012.
site_elvas_fortaleza_1168O ponto de partida é o castelo e depois alarga-se por um perímetro de cerca de 10 km e sete baluartes. Esta expansão é também uma janela da história que vai dos castros da época do ferro, aos romanos e à presença islâmica. É com os árabes que se constrói o castelo e uma segunda cintura de muralhas no século XII. site_elvas_fortaleza_porta_1100Após a Reconquista, o reino de Portugal edifica nova muralha, no século XIV, que configura, de certa forma o atual centro histórico e o perímetro da cidade.
site_elvas_fortaleza_3891Refere também Margarida Ribeiro, guia em Elvas, que “as alterações posteriores tiveram a ver com a evolução da pirobalística. As muralhas da cidade não estavam preparadas para a devastação provocada pelos canhões. Eram altas, esguias e ocas. A partir de 1641 foram adossadas muralhas mais baixas, em planos inclinados e em formato abaluartado. À prova de bomba.”
site_elvas_fortaleza_graca_3895Com o surgimento da artilharia surgem também as construções abaluartadas não só na cidade como também em pontos altos próximos da área urbana. Para evitar ataques com canhões. É nesta altura, a partir do século XVII, e com o conhecimento do engenheiro holandês Cosmander, que se inicia a construção do maior conjunto de fortificações abaluartadas do Mundo.
site_elvas_graca_3639Surge então a fortaleza de Santa Luzia e o esplendoroso Forte da Graça. “É uma fortaleza de estilo barroco. É um aparato, em primeiro lugar porque as portas são magnificas, tal como sucede em todas as fortalezas abaluartadas. O investimento decorativo está na porta. Depois o Forte da Graça está coroado com uma fabulosa Casa do Governador. É uma excentricidade. Dizem que só existem três casas de governador. Duas estão em Elvas e a terceira foi o conde de Lippe que exportou para próximo de Hannover.”
site_elvas_graca_3641O conjunto com a Casa do Governador é de facto surpreendente em particular quando subimos ao terraço e vemos a dimensão da fortaleza e a sua forma de estrela perfeita.
A vista em detalhe desta obra prima da arquitetura militar fica para outra oportunidade, como também do fascinante Aqueduto da Amoreira.
site_elvas_fortaleza_castelo_3831Regressemos ao ponto de partida. À torre de menagem do castelo que tem também uma excelente vista para o Alentejo e a Estremadura espanhola.
site_elvas_fortaleza_pelourinho_porta_3807O acesso ao castelo é feito por caminhos estreitos ou por portas defensivas. Temos ainda outras estruturas militares como por exemplo os três fortins que chegaram aos dias de hoje. “Foram construídos quatro. O de S. Francisco desapareceu. Conseguimos ver os restantes, desenhados por Wellington, a fazer a defesa dos outeiros. Os fortins de S. Pedro, S. Mamede e o de S. Domingos, também conhecido por Piedade.”
site_elvas_fortaleza_2_3832Todas estas estruturas miliares têm as marcas de conflitos quase permanentes com os espanhóis – Badajoz está a 8km – e com as Invasões Francesas. Por outro lado, o investimento permanente em estruturas defensivas ajuda a perceber a importância estratégica de Elvas que, por isso, também é conhecida como a Chave do Reino. “Esta é a chave da grande porta de entrada, a mais fácil, no território português.
Margarida RibeiroEstamos quase em linha reta entre Madrid e Lisboa e não temos grandes impedimentos orográficos. Nem grandes rios, nem grandes cadeias de montanha. É o caminho ideal para um exército passar. Isto evidencia a importância de Elvas em fechar muito bem esta porta, em ser a “chave do reino”.

site_elvas_fortaleza_porta2_hdrA chave que antes trancava as portas do reino é hoje uma das mais bonitas e interessantes portas de entrada em Portugal.
Além do património militar destaca-se ainda o conjunto de igrejas, as ruas estreitas da judiaria, fontes ornamentadas e por último, mas não menos importante, a gastronomia e o comércio que cativam em particular nuestros hermanos.

Algum deste património já foi reaberto ao público após o período crítico da pandemia. É o caso do castelo. A “jóia da coroa”, o Forte da Graça, reabre dia 3 de Junho.

Margarida Ribeiro
Margarida Ribeiro

Elvas “a chave do reino” faz parte do programa da Antena1, Vou Ali e Já Venho, e a emissão deste episódio pode ouvir aqui.

Ver Roteiros pelo concelho de Elvas

O Vou Ali e Já Venho tem o apoio:Af_Identidade_CMYK_AssoMutualistaAssinaturaBranco_Baixo

2 pensamentos sobre “Elvas “a chave do reino”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s