Berlengas: não há outra praia tão natural e à noite passeia e dorme à luz da lanterna

“Ao mesmo tempo fantasmagóricas e reais, de sonho e de granito, vejo-as sempre como a primeira estação da longa via-sacra que tivemos de percorrer através do grande Oceano. Do alto do seu dorso nu, os Farilhões, que ao longe sucessivamente vão mergulhando e emergindo das ondas, lembram-me irresistivelmente uma frota alinhada e aventureira a caminhar em direção ao desconhecido.”
Portugal, Miguel Torga

O arquipélago das Berlengas é a única oportunidade em Portugal Continental para verdadeiramente termos a sensação de ser um ilhéu.
site_berlengas_DSCF227510 km para além de Peniche deparamos com um arquipélago único. Está classificado como Reserva Natural e há quase uma década e Unesco definiu-o como Reserva da Biosfera.
siteg_berlengas_praia_5325A Berlenga é a ilha maior, onde atracam os barcos. Logo em rente do cais vemos a bonita praia do Carreiro do Mosteiro, o destino de muitos visitantes no Verão. “A grande maioria das pessoas visita a ilha para fazer praia. A água é muito fresca, normalmente ronda os 16, 17 graus”, diz Carlos Franco, guia nas Berlengas.

A praia é uma piscina natural, um anfiteatro natural protegido por enormes arribas e a água é transparente e fria.
siteg_berlengas_praia_5318O areal é um pequeno anfiteatro de areia em direção ao mar e as arribas lugar de pousio de muitas aves. Um pouco acima fica o parque de campismo e a meio da subida a pequena urbanização dos pescadores.
site_berlengas_DSCF2122O granito rosa que rodeia a praia contrasta com o verde suave da água, mas em outras partes da ilha a erosão provocada pelo mar criou grutas que dão novas formas ao granito.
siteg_berlengas_grutas1_hdrHá pequenos barcos que nos levam à descoberta da ilha e das grutas. “É uma das partes mais interessantes que temos na ilha. É um passeio muito bonito e que eu recomendo. Por exemplo, temos uma, a gruta azul, que durante a tarde espelha na água uma cor azul que é espetacular”. siteg_berlengas_grutas_5329O tamanho das grutas varia muito e na deslocação de barco temos perspetivas de formas nas rochas esculpidas pera erosão e a percepção do interior das grutas depende muito das marés. “Temos algumas mais pequenas, durante a maré vazia é possível entrar. siteg_berlengas_grutas_dscf2135Outras são apenas visitáveis na maré cheia. Temos também alguns túneis que se podem atravessar com o barco, mas no geral são grandes.”
site_berlengas_forte_5159Uma outra vista muito interessante com o barco é passar debaixo da ponte que liga a Berlenga à pequena ilha onde está o Forte de S. João Batista.
site_berlengas_forte_DSCF2158A passagem a pé pela ponte estreita de pedra é um dos lugares mais fotografados. É raro o visitante que não aproveite a oportunidade para registar o momento. Com propriedade, porque a envolvência selvagem da ilha ou a força do forte perante o mar, marcam o espirito do lugar. siteG_berlengas_forte_5259Ainda podemos ter a sorte de ver cardumes com centenas de peixes que também vão espreitar a vista na calma baía que se forma ao lado.
siteG_berlengas_forte_5275O forte está numa posição avançada é um excelente miradouro. A construção remonta ao século XVII, depois da Restauração, e o objetivo era defender o reino das tentações espanholas e da pirataria como nos adianta Rui Venâncio, historiador em Peniche. siteG_berlengas_forte_5190“Piratas do Norte de África que vinham com o objetivo de capturar pessoas para os mercados de escravos, de Argel em particular, e também pirataria francesa que foi muito forte e presente no século XVI.”

site_berlengas_forte4_hdrDepois de ter perdido a função militar foi abrigo dos pescadores até à década de 50 do século passado, na altura em que foi construído o pequeno Bairro dos Pescadores. siteg_berlengas_forte_5213Nessa altura, em 1953, há uma intervenção de fundo no forte e foi transformado em pousada, função que permanece até aos dias de hoje, com a gestão de uma associação local.
siteg_berlengas_farol_5290O regresso ao Bairro dos Pescadores e ao cais pode ser feito a pé. Subimos até ao farol, sempre a espreitar para trás, para as arribas e para o forte. Seguimos o trilho e só à quarta-feira vale a pena ir até ao farol. É o dia em que a Marinha o abre ao público.
A vegetação é rasteira. A melhor altura para apreciar algumas flores é na Primavera. Temos ainda a sorte de duas das três plantas únicas no mundo que existem nas Berlengas estarem próximas dos trilhos.

Arméria das Berlengas © Joana Andrade
Arméria das Berlengas © Joana Andrade

São a Arméria das Berlengas e a Publicária. A Herniaria das Berlengas já é mais difícil de ver porque é muito pequena e encontra-se em zonas rochosas.
siteg_berlengas_aves_dscf2127Joana Andrade, coordenadora do Departamento de Conservação Marinha da SPEA, Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves, coordenou um projeto sobre o restauro do habitat da ilha Berlenga, traça outros elementos da biodiversidade do arquipélago, como por exemplo “as aves mas há também um reptil, uma subespécie de lagartixa que é única no planeta. É também o único local no continente onde nidifica a cagarra e o roque-de-castro. siteg_berlengas_ilheu_5112Encontramos também a maior colónia de gaivotas de pata amarela. A nível geológico tem a particularidade de num reduzido âmbito geográfico encontramos ilhas com formações rochosas diferentes. siteg_berlengas_ilheus_5110A Berlenga com granito rosa e os Farilhões com rochas metamórficas. É curioso terem uma história geológica diferente apesar de pertencerem ao mesmo arquipélago.”
siteG_berlengas_forte_5163Joana Andrade e dormiu algumas semanas nas Berlengas. “É mágico, sobretudo fora do período balnear em que há grande agitação. No Inverno e na Primavera em que o ambiente é mais calmo, mais tranquilo, apenas com a atividade dos pescadores. Estar assim num contexto isolado é maravilhoso.”
siteg_berlengas_bairro_5138Em permanência vivem cerca de duas dezenas de pessoas, a maioria no bairro dos pescadores. Além da pousada no Forte, há um alojamento e parque de campismo.
siteg_berlengas_5126Pernoitar é também uma experiência recomendada por Carlos Franco, mas não se esqueça de levar uma lanterna. “Na minha opinião vale a pena passar aqui algumas noites, dois a três dias. Conhece a ilha durante o dia e disfruta do sossego que temos à noite. É diferente. siteG_berlengas_forte_5257A nível das aves, tudo o que é sons e o pessoal é muito sociável, é bastante agradável. A partir das 10h não há luz. Tem de ser com velas, uma lanterna sempre à mão. Há gente a passear, durante a noite o pessoal gosta de conhecer algumas partes da ilha. Obviamente sempre dentro dos caminhos, mas explorar um pouco mais.”

siteg_aberlengas_peniche_5085Uma última recomendação para evitar enjoos na viagem a partir de Peniche: ou escolhe um dia sem vento, ou previna-se. No Oceano já é uma lembrança tardia.

siteg_berlengas_forte_5256Berlengas: não há outra praia tão natural (e à noite passeia e dorme com luz da lanterna) faz parte do programa da Antena1 Vou Ali e Já Venho, e a emissão deste episódio pode ouvir aqui.

O Vou Ali e Já Venho tem o apoio:Af_Identidade_CMYK_AssoMutualistaAssinaturaBranco_Baixo

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s