Etiqueta: acores

É brutal a Poça de Simão Dias

É Brutal! Este é o comentário mais frequente sobre a Poça de Simão Dias na Fajã do Ouvidor, na ilha açoriana de S. Jorge. É uma piscina natural e o comentário é certeiro porque a sensação é mesmo essa. Brutal pelo efeito que provoca num primeiro olhar, bruta pela dimensão das escarpas de basalto, muito altas

Continue a ler

Provar o inhame de S. Jorge

O inhame é uma planta que se encontra em várias zonas da ilha de S. Jorge e faz parte da dieta de muitos açorianos. Foi introduzido nos Açores com o povoamento e devido às suas propriedades energéticas rapidamente assumiu um papel determinante na gastronomia. Manuel Brasil, engenheiro agrónomo salienta que o papel do inhame foi

Continue a ler

Fajã dos Vimes

A ilha de S. Jorge é formada por encostas íngremes. Arribas muito altas e apenas em lugares muito próximos do oceano existem zonas planas, um pouco acima do nível do mar. São as fajãs e constituem uma das características identificadoras da ilha de S. Jorge. Estão classificadas pela Unesco como Reserva da Biosfera. Ao todo

Continue a ler

A manta de retalhos da Serra do Cume

É uma das paisagens mais belas dos Açores e indiscutivelmente da ilha Terceira. A vista do alto da Serra do Cume é uma surpresa para muitos visitantes devido ao horizonte todo verde e recortado por muros negros de pedra vulcânica ou de flores das hortênsias. São milhares de parcelas de terreno todas cobertas de verde

Continue a ler

Reouvir Francisco de Lacerda “na Fragueira ou em Paris”

Há cerca de um século um dos compositores e maestros com maior reputação internacional era o português Francisco de Lacerda. A passagem por França e pela Suíça colocou-o como um dos principais chefes de orquestra e diretor de festivais de música. “No domínio da direcção de orquestra, o açoriano Francisco de Lacerda foi o primeiro

Continue a ler

As Sopas do Espírito Santo

No próximo fim de semana (20 de Maio) realiza-se nos Açores o primeiro bodo do Espírito Santo. É uma festa marcante da cultura açoriana e está espalhada pelos caminhos da emigração. Está de tal forma enraizada que mesmo em pequenas localidades juntam-se centenas de pessoas. Caso apareça há também o hábito de convidar os forasteiros.

Continue a ler