As adegas do Pico e a casa do Ramo Grande

As adegas do Pico são casas rudimentares com o basalto cru e mobiliário básico. A casa do Ramo Grande, na ilha Terceira, pertencia a lavradores abastados. As adegas são uma construção típica da ilha do Pico. Têm esse nome porque no rés do chão funciona a adega mas há também construções que servem para habitação…

Ler Mais

O azul de Santa Susana

Santa Susana tem uma dezena de ruas, está relativamente isolada no concelho de Alcácer do sal e situa-se num antigo monte alentejano. A herdade recebeu há cerca de um século vários trabalhadores agrícolas que viviam temporariamente em casas gémeas. Todas iguais. Alguns ficaram por aqui e o monte alargou a urbanização e ganhou novo estatuto. Também…

Ler Mais

A casa das Beiras

 A casa beirã tem algumas variações, consoante a região e a capacidade financeira do proprietário. Mas há um conjunto de elementos comuns que hoje ainda se evidenciam nas habitações que chegam aos nossos dias. A construção é de granito e têm dois pisos. O primeiro para residência da família. O rés do chão para os…

Ler Mais

A porta do morto na casa gandaresa

Raul Brandão e Carlos de Oliveira fizeram excelente descrições das casas do povo da Gândara. Os palheiros junto à praia ou a casa gandaresa que fica no interior. Em tempos e estilos diferentes os dois escritores e cronistas sociais descreveram a pobreza dos materiais, a escassez de recursos e a tenacidade dos habitantes na sua…

Ler Mais

As dunas na Casa Carlos de Oliveira

Estamos numa pequena assoalhada da Casa Carlos de Oliveira. Entre livros e mobiliário que pertenceram a um dos mais notáveis escritores portugueses do século XX. Quando nos sentamos em frente da velha máquina de escrever imaginamos partilhar o prazer da escrita. Também o relato de vivências, conforme escreveu o próprio Carlos de Oliveira “de uma…

Ler Mais

A Pampilhosa e o comboio na Casa Quinhentista

A Pampilhosa teve uma das mais importantes estações de comboios de Portugal quando foi cruzamento da Linha do Norte com a da Beira Alta no final do século XIX. Muito rapidamente o povoado de cerca de meio milhar de habitantes passou de uma economia agrária, com lastro medieval, para a fase industrial. Talvez a melhor…

Ler Mais