Etiqueta: museu

Já bateu à porta da vizinha de Cargaleiro?

O Museu Manuel Cargaleiro tem uma grande diversidade de obras mas há uma que não se esquece: A porta da casa da vizinha que nunca conheci. No meu regresso ao museu tive de ir bater novamente à porta da vizinha e contemplar as suas cores vivas. Fica logo à entrada, dá as boas vindas ao

Continue a ler

Os romanos saloios

A história das cidades não é apenas dos grandes centros populacionais. É também dos caminhos que durante milhares de anos levaram pessoas, animais e objectos até ás muralhas. É exemplo o acervo que está no Museu Arqueológico de São Miguel de Odrinhas, no concelho de Sintra e às portas de Lisboa. Por esta zona saloia

Continue a ler

O nosso drama neo-realista em Vila Franca

Um aviso prévio: se teve ou tem alguma relação com os artistas neo-realistas e as suas obras vai ter arrepios. Circular pelos três pisos do Museu do Neo-realismo de Vila Franca de Xira a ouvir Zeca Afonso ou Carlos Paredes e ver obras e testemunhos de escritores que marcam gerações presentes faz extravasar os sentidos.

Continue a ler

Fazer farinha em Souto da Casa e levar à Moagem no Fundão

Vamos à Ribeira da Gardunha fazer farinha de centeio numa azenha que foi recuperada. Os vários cursos de água provenientes da Serra da Gardunha ajudaram a desenvolver uma actividade que foi marcante para a região e muito importante para a sustentabilidade económica de inúmeras famílias ao longo de várias gerações. A moagem artesanal foi depois

Continue a ler

Vamos partir pedra a Alcains

O canteiro está em extinção. Milhares de portugueses trabalhavam a pedra, ornamentavam casas e praças há apenas algumas décadas. Hoje já não existem. O saber era transmitido de geração em geração, muitas vezes na própria família mas as últimas gerações emigraram ou preferiram outras profissões. Em Alcains, há pouco mais de meio século, havia cerca

Continue a ler

Onde está o “enter” na máquina de escrever?

Há pouco mais de duas décadas havia cursos profissionais de dactilografia e as máquinas de escrever faziam parte da rotina de qualquer repartição pública. Em muito pouco tempo estão em desuso e os mais novos até perguntam onde está o enter? quando experimentam escrever numa máquina. O fascínio é a primeira sensação quando se sobe

Continue a ler