As escolas Conde de Ferreira

Este slideshow necessita de JavaScript.

Em todo o país há cerca de 70 edifícios com arquitectura simples e com uma fachada encimada com frontão triangular e em todos eles está escrito “24 de Março de 1866”.
É a data da morte do Conde de Ferreira e todos estes edifícios foram escolas primárias construídas com dinheiro do conde. Segundo o seu testamento disponibilizou 144 000 000 réis para a construção de 120 escolas.

Fachada da escola conde de Ferreira no Montijo
Fachada da escola conde de Ferreira no Montijo

As construções tinham requisitos específicos no que foi a primeira planta escolar a nível nacional, com duas salas e um espaço para habitação do professor.

Foram construídas cerca de uma centena de escolas, após concurso, só admissível a vilas sede de concelho. A grande maioria esteve a funcionar quase um século.
A Aldeia Galega do Ribatejo, que hoje conhecemos por Montijo, foi uma das que concorreu. Além da verba resultante do testamento do conde de Ferreira a Câmara juntou 400 000 réis.
Começou a funcionar em 11 de Fevereiro de 1875 e foi a primeira escola pública de ensino primário no concelho do Montijo.

Joaquim Tapadinhas frequentou a escola conde de Ferreira em 1946
Joaquim Tapadinhas frequentou a escola conde de Ferreira em 1946

Joaquim Tapadinhas, professor, historiador e autor de um estudo sobre o ensino no concelho de Montijo, frequentou esta escola em 1946. Foi aqui que fez a 3ª e 4ª classe. Recorda-se da escola ter duas salas. A mais pequena tinha cerca de 30 alunos e a maior era frequentada por cerca de 40 alunos. Eram duas classes e o diretor morava dentro da escola.

Interior da escola que foi adaptado para o Museu do Pescador
Interior da escola que foi adaptado para o Museu do Pescador

Os alunos eram apenas rapazes e em quase tudo a escola de Montijo era igual às outras. Onde havia diferença era na zona envolvente porque não tinha espaço para a habitual horta do professor e o recreio dos aluno. As brincadeiras eram na rua. “A rua é larga e como o movimento não era grande não havia grande diferença”.
A escola era gratuita e chegou a ter mais de uma centena de alunos em cursos diurnos e nocturnos. No entanto, a taxa de absentismo e abandono escolar era muito elevada. Não havia muitos alunos devido ao poucos recursos das famílias e, por outro lado, não havia o hábito de ir à escola.
Segundo o estudo realizado por Joaquim Tapadinhas, cerca de metade dos inscritos nesta escola deixavam de a frequentar.
Há muitos relatos de imensas dificuldades no ensino em Portugal conforme se pode ler no estudo. Falta de recursos, falta de interesse, vazio de responsabilidade entre os municípios e o Estado central. Um sem fim de problemas.
site_escola_DSCF8209No caso da sua passagem pela escola Conde de Ferreira, Joaquim Tapadinhas salienta a dedicação do seu professor e o método de ensino. O programa curricular era nacional. Havia livros para cada área de conhecimento. Na 3ª e 4ª classe eram realizados exames com um júri que vinha de fora. Os professores eram avaliados em função das notas dos alunos. Na altura muitos alunos “iam para a casa do professor que dava explicações gratuitas”.
Esta relação do professor com a escola e a comunidade é uma das maiores diferenças registas por Joaquim Tapadinhas. “O professor era uma pessoa muito respeitada. Passava na rua e os pais iam cumprimentá-lo. Depois, dependia da personalidade do professor. Podia ostentar esse valor simbólico ou ser uma pessoa normalíssima como os outros. De qualquer maneira era sempre muito respeitado.”
site_tapadinhas_escola_DSCF8257A conversa com Joaquim Tapadinhas foi no interior da escola onde já regressou várias vezes e diz ter gostado de andar aqui. Gostou tanto que depois foi para professor. “Gosto imenso em particular quando vejo os alunos. Quando dizem “olá professor” …. preenche-me”.
Professor e alunos estiveram aqui até à década de 50. Passou depois a secretaria da delegação escolar.
site_escola_DSCF8207Hoje o edifício, pintado de azul, sobressai na Avenida dos Pescadores. Pertence à Junta de Freguesia e o espaço foi cedido à Sociedade Cooperativa União Piscatória onde instalou o bonito Museu do Pescador. É uma outra forma de descobrir a antiga escola conde de Ferreira.

Muitas outras antigas escolas foram adaptadas para novas funções. A grande maioria para atividades de acesso público.

Pode obter aqui mais informação sobre escolas antigas.
As escolas Conde de Ferreira faz parte do programa da Antena1, Vou Ali e Já Venho, e pode ouvir aqui.

O Vou Ali e Já Venho tem o apoio:Af_Identidade_CMYK_AssoMutualistaAssinaturaBranco_Baixo

Um pensamento sobre “As escolas Conde de Ferreira

  1. A História do país faz-se de aparentes pequenos acontecimentos, que somados fazem-na, tal como os pequenos grãos de areia fazem a montanha. As pessoas, todas elas, com maior ou menor intervenção social, são importantes.

    Gostar

Deixe uma Resposta para Joaquim Carreira Tapadinhas Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s