A ver os carros a passar no miradouro da Ponte 25 de Abril

Estamos a mais de 70 metros de altura e ao lado do tabuleiro rodoviário da Ponte 25 de Abril. Dentro de uma plataforma de vidro que está suspensa. É uma caixa de vidro e de vertigens que nem todos querem experimentar. É uma experiência que nos é proposta, subir os 26 pisos do elevador que

Continue a ler

Kompong Phluk – o maior lago de água doce da Ásia

Kompong Phluk é Ásia. Calor, água, pessoas em contextos difíceis a lutarem pela sobrevivência e a deslumbrante beleza natural conjugada com o engenho humano.   Kompong Phluk é um pequena cidade, com várias aldeias em redor, no lago Tonlé Sap, o maior reservatório de água doce do sudoeste asiático e onde vivem cerca de 3 milhões

Continue a ler

Angkor: o que “o génio humano pode conceber”

Os templos de Angkor são fascinantes. Um património histórico construído pelo homem tão espetacular que talvez tenha apenas comparação com Petra, na Jordânia No plano religioso não há igual. São tão deslumbrantes como a sua história que foi inicialmente registada por um frade português para quem este é ponto máximo do génio humano. António da

Continue a ler

Chiuu! Estou a dormir num monumento

O olhar é diferente. Quando se está alojado num monumento a nossa perspetiva é muito diferente e temos um duplo papel que é inusitado: visitante e hóspede. Em primeiro lugar, passa a haver atenção aos objetos que nos rodeiam e não a habitual indiferença num hotel comum. Em segundo lugar, o olhar é cuidadoso, minucioso.

Continue a ler

Pinguin Rei na Baía Inútil da Terra do Fogo

A baía chama-se “Inútil” porque era muito baixa e os barcos encalhavam. Mas não é inútil: é o local de visita do Pinguin Rei, uma das espécies mais divertidas dos pinguins. É a segunda maior espécie de pinguins e chegam a atingir um metro de altura. São também dos mais coloridos vivem na Antártida e

Continue a ler

Porvenir na Terra do Fogo chilena e o genocídio dos Selknam

Porvenir fica na Terra do Fogo chilena, numa ilha no extremo sul do continente americano. Para lá da “ruta” do Fim do Mundo porque para aqui chegar tem de se atravessar o estreito de Magalhães. Porvenir começou a ter algum turismo mas não se transfigurou o que torna a localidade genuinamente cortês. Não engana. As

Continue a ler