Carlos Marques – o contador de histórias irrepetíveis

Carlos Marques é um dos vários andarilhos que anda pelo país a contar histórias. Entra em cena como se tratasse de uma conversa de café, com amigos, vai perguntando a cada um coisas da vida mundana, mas é um jogo, uma técnica de sedução que pratica em “bibliotecas, festivais, encontros, teatros, salas de espetáculo…”. A solo ou em conjunto com “a companhia de teatro Algures, … Continue a ler Carlos Marques – o contador de histórias irrepetíveis

Miguel Horta vai desenhar histórias com palavras

Miguel Horta é pintor e ilustrador e desde muito cedo se deixou encantar pela palavra. A palavra como instrumento de relação com os outros, um instrumento de compromisso social que foi impulsionado num contexto pessoal, “venho de uma geração pós 25 de Abril e houve uma organização que me influenciou muito, o Centro de apoio às organizações de base. Fui envolvido por um movimento de … Continue a ler Miguel Horta vai desenhar histórias com palavras

O génio do contador de histórias António Fontinha

António Fontinha é genial a contar histórias. Não há que ter receio em o afirmar. Não sou o único a qualificá-lo deste modo. Outros contadores de histórias disseram-me que era obrigatório ver uma sessão de narração oral com António Fontinha. Tive essa oportunidade na Biblioteca do Palácio Galveias em Lisboa e confesso que fiquei com um enorme problema. Como narrar a vivência, a densidade que … Continue a ler O génio do contador de histórias António Fontinha

Andante à procura do prazer da leitura

A Andante tem uma vocação muito singular: incentivar-nos a ler, a procurar o prazer da leitura. Cristina Paiva e Fernando Ladeira ganharam no ano passado o Prémio Ler+. Uma justa distinção por andarilhos que percorrem o país à procura de novos donos para as palavras que só existem quando ganham a vivência de um leitor ou de ouvinte. Na rádio, no teatro, num livro, na … Continue a ler Andante à procura do prazer da leitura

Constância a Vila Poema de Camões

Camões antes de ir para Ceuta terá estado em Constância. Na sua poesia fala no Tejo e no Zêzere. O degredo teria sido na Casa dos Arcos que fica mesmo em frente da confluência dos dois rios. José Hermano Saraiva, por sua vez, estava convencido que foi nas masmorras do antigo castelo de Punhete. Era este o nome anterior de Constância. As interpretações do passado … Continue a ler Constância a Vila Poema de Camões

Torre de Moncorvo – a terra do bisavô de Jorge Luis Borges

Faz este sábado, 24 de Agosto, 120 anos que nasceu Jorge Luís Borges. Vamos conhecer o bisavô que há dois séculos partiu de Torre de Moncorvo. Francisco Borges deixou Moncorvo numa expedição militar para defender Colónia del Sacramento, uma bonita cidade que hoje pertence ao Uruguai e que permite o controlo da foz do Rio da Prata. Do outro lado da foz encontra-se Buenos Aires. … Continue a ler Torre de Moncorvo – a terra do bisavô de Jorge Luis Borges

Roteiro Tomás da Fonseca

Tomás da Fonseca foi professor, escritor, poeta, republicano, maçon e um homem de ideias firmes que não se deixou submeter aos interesses de ocasião. Teresa Branquinho, responsável da Biblioteca Branquinho da Fonseca em Mortágua, sublinha que a voz incómoda do escritor originou represálias que o afectaram do ponto de vista profissional.   Tomás da Fonseca foi professor em Lisboa e Coimbra, exerceu cargos relevantes na área … Continue a ler Roteiro Tomás da Fonseca

O roteiro de Aquilino Ribeiro

As obras de Aquilino Ribeiro são o melhor roteiro das terras por onde andou na Beira porque ele foi exímio em descrever esses lugares. Uma parte significativa dos seus romances narram vivências nos concelhos de Sernancelhe, onde nasceu, Moimenta da Beira, onde viveu, e Vila Nova de Paiva, terra do Malhadinhas. São as Terras do Demo. Nas palavras de Paulo Neto, director da revista literária … Continue a ler O roteiro de Aquilino Ribeiro

As dunas na Casa Carlos de Oliveira

Estamos numa pequena assoalhada da Casa Carlos de Oliveira. Entre livros e mobiliário que pertenceram a um dos mais notáveis escritores portugueses do século XX. Quando nos sentamos em frente da velha máquina de escrever imaginamos partilhar o prazer da escrita. Também o relato de vivências, conforme escreveu o próprio Carlos de Oliveira “de uma aldeia pobríssima. Lagoas pantanosas, desolação, calcário, areia.” Ana Mesquita, que … Continue a ler As dunas na Casa Carlos de Oliveira

É amar-te, assim, perdidamente

“É amar-te, assim, perdidamente…” é também a paixão de Vila Viçosa por Florbela Espanca. A poetisa nasceu aqui em 8 de Dezembro de 1894 e foi também em Vila Viçosa que frequentou a escola primária. A sua terra natal não a esqueceu e é evocada de várias formas o que permite fazer um roteiro que percorre alguns dos locais mais importantes de Vila Viçosa. Talvez … Continue a ler É amar-te, assim, perdidamente

Gouveia a aldeia em verso

As boas vindas são dadas em verso e conforme se vai caminhando pela aldeia de Gouveia do concelho de Sintra vamos descobrindo pessoas e lugares através de versos colocados nas paredes e muros. A vida da aldeia e dos seus habitantes está ali contada como era há meio século atrás com rimas de criatividade e sensibilidade de poeta. Logo à entrada da povoação dizem que … Continue a ler Gouveia a aldeia em verso

Passeio dos Poetas em Santa Cruz

O Alto da Vela é um lugar de eleição. Fica a sul da praia de Santa Cruz e é um miradouro natural que permite ver o Oceano e o imenso areal dourado que contrasta com as arribas rochosas. A atracão do olhar também seduziu escritores que gostavam de contemplar o mar deste miradouro. Antero de Quental vinha aqui com frequência,  como também Kazuo Dan, um famoso … Continue a ler Passeio dos Poetas em Santa Cruz

Passeio dos Poetas na Praia da Vitória

Na cidade da Praia da Vitória anda-se na rua a descobrir poesia. Há um roteiro que é divulgado nos guias turísticos mas a maior parte das pessoas vai descobrindo passo a passo os 33 painéis de azulejos com excertos de poemas. Cada painel tem um retrato e o nome do respetivo poeta. A maioria são açorianos e muitos têm obras publicadas na colectânea Improvisadores da … Continue a ler Passeio dos Poetas na Praia da Vitória

O versátil Poeta Cavador

O Poeta Cavador era analfabeto mas compôs versos muito elogiados e era muito popular na região da Bairrada. Manuel Alves, o seu verdadeiro nome, nasceu e morreu em Vale de Boi na freguesia da Moita onde em meados do século passado colocaram um busto em bronze. É a homenagem ao Poeta Cavador, cognome que lhe foi atribuído pelo escritor Tomás da Fonseca e que preservou a … Continue a ler O versátil Poeta Cavador

O nosso drama neo-realista em Vila Franca

Um aviso prévio: se teve ou tem alguma relação com os artistas neo-realistas e as suas obras vai ter arrepios. Circular pelos três pisos do Museu do Neo-realismo de Vila Franca de Xira a ouvir Zeca Afonso ou Carlos Paredes e ver obras e testemunhos de escritores que marcam gerações presentes faz extravasar os sentidos. Provavelmente é o sinal de que permanece uma marca e … Continue a ler O nosso drama neo-realista em Vila Franca

Melo: a aldeia eterna de Vergílio Ferreira

Melo pertence ao concelho de Gouveia fica numa encosta da Serra da Estrela e é uma das aldeias mais referidas na literatura portuguesa pela escrita de Vergílio Ferreira que lhe chamou a aldeia eterna. Vergílio Ferreira nasceu aqui e apesar de ter permanecido poucos anos as vivências em Melo são várias vezes pretexto para referências literárias. O próprio escritor salientou a afeição à sua terra … Continue a ler Melo: a aldeia eterna de Vergílio Ferreira

Azinhaga de Saramago é lugar de emoções

Uma mulher veio de Dusseldorf, apanhou um táxi em Lisboa para a Azinhaga, esteve aqui algumas horas e depois regressou à Alemanha. É frequente visitantes chorarem quando tocam nos livros. O escritor a sua obra ainda são uma fonte de emoções fortes. O contexto pode contribuir para uma vivência intensa. A fotografia do Zezito na entrada da antiga escola primária aviva a memoria de infância … Continue a ler Azinhaga de Saramago é lugar de emoções