Janarde de pura natureza junto ao rio Paiva e no meio de serras de Arouca

Janarde é uma pequena aldeia do concelho de Arouca que preserva fortes traços do universo rural e está num lugar isolado. Serras cercam o vale. Estamos rodeados de natureza. Fora do pequeno espaço urbano os únicos vestígios da intervenção humana são os cabos de transporte de energia eletrica e o serpentear da estrada. Quem define o caminho da rodovia são cerca de uma dezena de … Continue a ler Janarde de pura natureza junto ao rio Paiva e no meio de serras de Arouca

Vide está no melhor de dois mundos

Vide é um breve ponto de passagem entre as serras do Açor e da Estrela e faz também a ligação entre os vales e alguns dos lugares mais altos de Portugal. Conjuga ainda a natureza do xisto com a montanha de granito. Está no melhor de dois mundos. O elo de ligação é uma bonita ponte românica, com um arco perfeito, que dá passagem à … Continue a ler Vide está no melhor de dois mundos

Os mais antigos seres vivos no Museu das Trilobites

O Museu das Trilobites no concelho de Arouca, dá-nos a conhecer duas histórias fantásticas. A principal é a de fósseis de varias espécies, em particular as trilobites que viveram no mar durante 300 milhões de anos. Terão sido dos mais antigos seres vivos! Acrescenta-se o facto de no museu podermos ver algumas das maiores em todo o mundo. Refere Manuel Valério, o proprietário do Museu … Continue a ler Os mais antigos seres vivos no Museu das Trilobites

Os segredos de Santa Maria que foi ilha duas vezes

A ilha de Santa Maria tem seis milhões de anos e é a mais velha do arquipélago dos Açores. Na verdade, já foi duas vezes ilha. Na primeira vez tinha a forma de vulcão. Com o fim da actividade vulcânica e com a erosão marítima transformou-se num banco submarino. Neste período desapareceu completamente  e houve sobreposição de sedimentos. Areias e animais. Uma segunda fase de … Continue a ler Os segredos de Santa Maria que foi ilha duas vezes

A misteriosa Necrópole de Carenque

A região de Carenque, próximo de Lisboa, é um livro de História. Um dos registos mais antigos é o das pegadas dos dinossauros de há 90 milhões de anos. Mais próximo de nós, mesmo assim, há cerca de seis mil anos, temos a Necrópole de Carenque ou do Tojal de Vila Chã. São três grutas escavadas pelo homem numa zona de calcário no alto de … Continue a ler A misteriosa Necrópole de Carenque

Necrópole de Sarilhos Grandes

Ver e participar em arqueologia: desenterrar mortos da nobreza e do povo em Sarilhos Grandes

Vamos descobrir os segredos de Sarilhos Grandes. Ver e participar na descoberta. Mesmo sem termos grandes conhecimentos de arqueologia podemos contribuir para a revelação da necrópole de Sarilhos Grandes, numa ermida e em redor da igreja de S. Jorge. Os trabalhos arqueológicos são retomados a 13 de Julho e devem terminar no inicio de Outubro. Aceitam voluntários e pode ter aqui mais informação. Paula Pereira é arqueóloga, … Continue a ler Ver e participar em arqueologia: desenterrar mortos da nobreza e do povo em Sarilhos Grandes

O gracioso Cromeleque de Vale Maria do Meio

O Cromeleque de Vale Maria do Meio é um lugar onde podemos sorrir e ficar serenos com a história dos nossos antepassados. Um passado longínquo. Há 7 a 8 mil anos. Alguns dos 34 menires do cromeleque têm um aspeto gracioso, outros são mais pequenos e com formas distintas e na região de Évora até são conhecidos como pedras talhas devido à forma ovóide. O … Continue a ler O gracioso Cromeleque de Vale Maria do Meio

Uma Gargantada de aquedutos

O aqueduto da Gargantada “dá nas vistas” à entrada da Amadora mas é obrigatório descobrir o ponto de partida, em Belas. Pelo enredo “hidráulico”. Em primeiro lugar a estrada chama-se das “Águas Livres”. Depois, o roteiro é aparentemente simples, seguir o aqueduto da Gargantada até ao Palácio de Queluz, mas é muito enganador. Encontramos um reservatório em pedra, com uma cobertura arredondada e bem preservada apesar … Continue a ler Uma Gargantada de aquedutos

Aqueduto das Águas Livres tem o maior arco de pedra em ogiva do mundo

O Aqueduto das Águas Livres foi construído tardiamente, rapidamente se percebeu que era insuficiente para resolver o problema da falta de água em Lisboa, mas é uma das obras que marca a cidade. A monumentalidade em Alcântara é esmagadora. Os arcos atravessam o vale numa extensão de 940 metros e, conforme salienta Mariana Castro Henriques, diretora do Museu da Água, “sem dúvida que a zona … Continue a ler Aqueduto das Águas Livres tem o maior arco de pedra em ogiva do mundo

O belo e monumental aqueduto da Amoreira em Elvas

Poucas construções em Portugal marcam tanto a imagem de uma cidade como o aqueduto da Amoreira em Elvas.Disputa a atenção na paisagem urbana com fortes e muralhas. No vale de S. Francisco torna-se absolutamente dominante porque os arcos ultrapassam os 30 metros de altura.São, a par do Forte da Graça que se ergue vigilante num dos montes que rodeia a cidade, a esplendorosa receção aos visitantes … Continue a ler O belo e monumental aqueduto da Amoreira em Elvas

A porta da casa é no Aqueduto de Évora

O aqueduto de Évora está quase a fazer 500 anos e ainda transporta água quase até à cidade. É uma das obras monumentais da cidade e foi apropriado pelo casario, essencialmente num dos lugares simbólicos: na rua do Cano.O aqueduto da Água de Prata foi inaugurado em Março de 1537 e transportou água até à Praça do Geraldo ainda no século XX. Conforme refere o arquiteto … Continue a ler A porta da casa é no Aqueduto de Évora

Almeida – a fortaleza do tempo

Almeida mantém-se como uma vigorosa fortaleza.  No passado, a estrutura em hexágono protegia da guerra, dos invasores espanhóis e franceses. Hoje, a muralha preserva a identidade e um fabuloso património.Almeida fica numa zona plana e só temos uma perceção clara da vila quando nos aproximamos da praça-forte.As elevações, os canhões, o enorme fosso… remetem-nos de imediato para a ideia de que estamos perante algo imponente. Essa … Continue a ler Almeida – a fortaleza do tempo

Marvão a vila fortaleza

Marvão não tem uma fortaleza. O próprio local já é uma fortaleza! Está no topo de um monte com 860 metros de altitude e com encostas escarpadas. Rochas enormes em posição vertical e que foram muito mais eficazes que as construções defensivas.A fortaleza é em primeiro lugar uma obra da natureza. As enormes muralhas que cercam Marvão são um complemento defensivo para a população que … Continue a ler Marvão a vila fortaleza