Medelim de judeus e dos borrachões

Sem comentários

Este slideshow necessita de JavaScript.

Medelim tem uma longa história mas o seu património é determinado pela Guerra Peninsular, a quarta invasão, em Abril de 1812, em que a aldeia foi saqueada pelos franceses.

Rua da Torre
Rua da Torre

Muito do que existia, designadamente uma torre templária, terá sido destruída.
O povo, na sua perspectiva pragmática, aproveitou as pedras para construir muros e casas. Ficou o nome, Rua da Torre.

Não muito longe, seguindo a rua do Espírito Santo, vai-se dar à rua do Cavacal , o local do depósito comunitário de lenha, onde se iam buscar as cavacas para aquecer a casa e fazer comida.

Casa da Ti Paróquia
Casa da Ti Paróquia

Ao longo deste percurso, passamos em frente da Casa da Ti Paróquia, que terá sido residência de párocos e hoje a sua dona tem prazer em manter florida, com vasos que acompanham a escadaria.

Nesta parte da aldeia há ainda um solar que foi restaurado, é agora a Casa de Medelim.

interior da igreja de S. Sebastião
Interior da igreja de S. Sebastião

Ao lado, a outrora igreja do Espírito Santo, agora designada igreja de S. Sebastião, é muito antiga e não é fácil conseguir-se a chave para visitar.

Para além do património religioso, Medelim ficou também conhecida como a aldeia dos balcões. Tem mais de 200.

balcão
Balcão

O balcão é uma escadaria exterior com pedras de granito, cada uma delas de grande dimensão, e que dá acesso ao piso superior da casa.
Em alguns casos, a parte superior tem um alpendre e duas pedras na vertical a servirem de proteção.
A escadaria não é maciça, tem uma pequena concavidade onde se guardavam animais, o mais vulgar eram galinhas.
Muitos destes balcões foram restaurados e têm vasos de flores a quebrar o frio do granito.

Rua Judiária
Rua da Judiaria

Outro património singular é a Rua da Judiaria onde viveram muitos judeus até ao século XVI.

Alguns terão fugido de Espanha, com a expulsão dos Reis Católicos e tiveram refúgio na raia, junto à fronteira.
Ainda hoje se contam histórias de túneis e ligações entre as casas e de artefactos descobertos nas obras.
Por incrível que pareça, havia aqui um lugar de culto (talvez uma Sinagoga) e terá sido destruído há cerca de 50 anos!
Só agora é que este património está a ser valorizado. Foi restaurada uma casa-museu, nasceu uma casa de campo e um café com nomes inspirados na comunidade judaica.
Muito recentemente foi também aprovado um projeto para a salvaguarda e o estudo da cultura judaica.

O impulsionador é Albano Pires Marques, presidente da Junta de freguesia, e visa criar um centro de memória e de estudos dos sefarditas. Vai ser no antigo lagar que será também um espaço museológico.

Por outro lado, nos últimos anos tem sido celebrada uma festa judaico – cristã, assinalando a convivência pacífica entre pessoas de religiões diferentes.

Festa judaica
Festa judaica

Ainda em termos de iniciativas culturais, destacam-se os concertos que nos últimos anos se têm realizado em várias igrejas da aldeia, um deles, dedicado a música sefardita.

Tudo isto é interessante e merecedor de uma visita mas o que é imperdível, o melhor e o motivo pelo qual muita gente faz uma paragem na padaria de Medelim da Srª.  Sofia, são os borrachões.

São feitos apenas de farinha, açúcar, azeite, ovo e canela.

borrachões
Borrachões

Falta o pormenor determinante: chamam-se borrachões porque levam ainda uma pequena dose de aguardente e vinho para lhe dar sabor.

Estes biscoitos são fruto de uma terra pobre de recursos naturais, por isso têm poucos ingredientes.
Por outro lado, por força da mesma necessidade e escassez de recursos, precisava-se que durassem muito tempo, o que explica a sua consistência.

Medelim
Medelim

Nos últimos anos, Medelim, como as aldeias vizinhas, tem registado um significativo envelhecimento.
No último Censos tinha 272 habitantes e quando tem mais população é na última semana de Agosto, com o regresso dos medelinenses à festa da aldeia, do Senhor do Calvário.

Santuário do Sr. do Calvário
Santuário do Sr. do Calvário

É nesta altura que se juntam os Trapulhas, os Guadalupes, os Mai-nada, os Faitons, os Porros, os Canhotas, os Meio-quartilho…. Por vezes, só pelas as alcunhas é que os regressados-visitantes são identificados pelos locais.

Medelim fica a 15 km da sede de concelho, Idanha-a-Nova e tem um restaurante, o Prato Cheio, vários cafés, uma bomba de gasolina e a Casa de Campo Sefarad.

Medelim de judeus e dos borrachões faz parte do podcast semanal da Antena1 Vou Ali e Já Venho e pode ouvir aqui.
A emissão deste episódio, Medelim de judeus e dos borrachões, pode ouvir aqui.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s