“Quem come um folhado de Loulé fica feliz para o resto da semana”

A frase do título é de um cliente habitual dos folhados de Loulé. Quando estávamos “embriagados” pelo aroma do doce acabado de fazer. O creme de ovos a derreter também derretia o nosso apetite. O folhado de Loulé deve ser comido morno, por isso, tem hora marcada. A tabuleta colocada na rua indica que no…

Ler Mais

As tradicionais e saborosas queijadas de Serpa

As queijadas fazem parte da doçaria tradicional alentejana, em especial de Serpa. O sabor das queijadas é suave como também o tom da cor amarela que cativa o nosso olhar.  Há várias formas de confecionar e é possível encontrar quem faça de modo tradicional. Maria Guerreiro, que tem uma loja de produtos regionais, a Casa…

Ler Mais

Uma “bomba” de Palha de Abrantes

É palha, mas não são apenas os burros que gostam. Todos gostam, desde que sejam gulosos. A receita é de origem conventual, tem cerca de 500 anos, e o doce é irresistível. Daniel António é há cerca de 60 anos o proprietário da Confeitaria Palha de Abrantes, situada no centro histórico. “É a mais antiga em…

Ler Mais

A gulodice suprema: Dom Rodrigo

A escolha é para gulosos. Muito gulosos. Os Dom Rodrigo são uma perdição. Ovos e amêndoa são o sabor dominante e junta-se a cor e o brilho que os tornam irresistíveis. A Pastelaria Gardy, em Faro, é uma das que tem maior reputação na confecção do doce. Os Dom Rodrigo são de origem conventual, fazem…

Ler Mais

A tentação das Brisas do Liz em Leiria

A Brisa do Liz é um doce típico de Leiria. Bem doce. A cor amarela e o brilho cativam o olhar. O sabor suave a amêndoa partilha o paladar com os ovos numa doce harmonia. É difícil resistir à gulodice provocada pelas Brisas do Lis, em particular para os gulosos. O sabor doce permanece no…

Ler Mais

Uma Barrica de ovos moles de Aveiro

Os ovos moles são irresistíveis. Não admira que seja uma das marcas de Aveiro e geradora de um aplauso quase universal. Em algumas alturas do ano é um corrupio de gente nas confeitarias à procura dos ovos moles. Para saborear e/ou levar para casa. O doce de ovos moles é confecionado em várias formas. As…

Ler Mais

Beja tem um Porquinho Doce conventual e irresistível

O legado conventual tem uma forte influência na doçaria de Beja e um dos doces mais afamados é o porquinho. “É o doce emblemático do café pastelaria Luiz da Rocha e da doçaria regional. Corre mundo pela mão dos nossos emigrantes.” O café, pastelaria e restaurante Luiz da Rocha – o café mais antigo de…

Ler Mais

Biscoito da Teixeira de Lamego para saborear com café, vinho do Porto ou champanhe

O Biscoito da Teixeira é um doce tradicional da região do Douro. A versão mais conhecida é do concelho de Baião, com origem na freguesia de Teixeira. É usual encontrar-se em feiras e romarias. O mesmo sucede com o biscoito da Teixeira mas com a receita e o saber fazer de Lamego. São biscoitos diferentes,…

Ler Mais

Com as calorias do Viriato os romanos não venciam os lusitanos

O Viriato é um doce que rapidamente ganhou preponderância na doçaria tradicional de Viseu, em particular o da Confeitaria Amaral. Depois de se saborear percebe-se porquê. Foi a primeira vez que provei o famoso Viriato de Viseu. Enquanto esperava para falar com Nuno José via os tabuleiros a passar para o balcão. Cada tabuleiro contém…

Ler Mais

O saboroso e incomparável pastel de feijão do Patronato

O pastel de feijão do Patronato é uma das “relíquias” de Mangualde. Com um sabor inigualável o pastel tem ainda um papel fundamental no apoio a uma instituição de solidariedade social. A ida a Mangualde tem paragem obrigatória no Patronato. É o mesmo que ir a Roma e não ver o Papa. Aqui a igreja…

Ler Mais

Pão de Ló de Coz e do rei D. Carlos

O Pão de Ló de Coz, no concelho de Alcobaça, é de origem conventual, mas passou para segundo plano quando o rei D. Carlos adorou uma versão, alegadamente mal confecionada, e ficou conhecida como Pão de Ló de Alfeizerão. O de Coz está agora a ser reavivado. “Se o rei gosta, então que se faça…

Ler Mais

Queijinhos do Céu e da perdição

O Queijinho do Céu é um doce de ovos e amêndoa, tem o formato de um pequeno queijo de cor amarelada e está escondido num embrulho de papel branco rendilhado. “É como desvendar um mistério. Ao descobrir o queijinho está a descobrir um mistério. Esse mistério é comer o doce, saboreá-lo e vai ao céu…

Ler Mais

Adoçar a boca e a gula com a Amêndoa Coberta de Moncorvo

A Amêndoa Coberta de Moncorvo foi eleita uma das Sete Maravilhas Doces de Portugal e é uma das marcas de Torre de Moncorvo. Exige boa matéria prima e o saber das “cobrideiras”. As amendoeiras decoram as encostas em toda a região e na Primavera, quando estão em flor, fazem competição com a monumental igreja de…

Ler Mais