Algodres tem um pelourinho “com uma altura que é uma coisa maluca”

Os relatos de viagens estão cheios de hipérboles e uma das inspirações é em Algodres. Estamos a 700 metros de altitude, no topo de uma encosta, e o miradouro do alto da vila é uma das varandas com melhor vista para a serra da Estrela.O granito domina no casario. Na construção das casas e nos penedos enormes que na encosta separam a parte mais recente … Continue a ler Algodres tem um pelourinho “com uma altura que é uma coisa maluca”

Rias que salvam animais selvagens

O RIAS é mais conhecido como um hospital de animais selvagens inserida na zona protegida da Quinta de Marim, em Olhão. A maior parte dos animais entregues para tratamento são aves feridas. Constituem cerca de 95% dos animais que dão entrada. Diz Sofia Costa que trabalha na gestão e coordenação do RIAS que são maioritariamente gaivotas, cegonhas e aves de rapina: corujas, mocho galego e algumas … Continue a ler Rias que salvam animais selvagens

Lapa do Lobo – a aldeia cultural

Lapa do Lobo, uma aldeia no concelho de Nelas, é um centro cultural com atividades quase diárias e onde se fica perplexo com o envolvimento da população.Vale a pena um desvio da auto estrada e seguir pela Nacional 234 entre Carregal do Sal e Nelas até encontramos a “aldeia cultural”. Lapa do Lobo não é muito grande e na estrada principal o que se destaca … Continue a ler Lapa do Lobo – a aldeia cultural

Uma Barroca de sensações no roteiro de xisto

A Barroca é uma Aldeia de Xisto, faz parte do concelho do Fundão e a herança do último século deixou uma profunda dualidade.É uma aldeia rural, namora o rio Zêzere que lhe dá nutrientes para alimentar um solo pobre, mas ao mesmo tempo sofre da profunda intervenção do homem na extração mineira. É uma aldeia marcada pelo couto mineiro das Minas da Panasqueira. Está a … Continue a ler Uma Barroca de sensações no roteiro de xisto

Gouveia a aldeia em verso

As boas vindas são dadas em verso e conforme se vai caminhando pela aldeia de Gouveia do concelho de Sintra vamos descobrindo pessoas e lugares através de versos colocados nas paredes e muros. A vida da aldeia e dos seus habitantes está ali contada como era há meio século atrás com rimas de criatividade e sensibilidade de poeta. Logo à entrada da povoação dizem que … Continue a ler Gouveia a aldeia em verso

O xisto amarelo e genuíno de Gondramaz

Gondramaz é uma pequena aldeia de xisto a meio de encosta da serra da Lousã. Foi toda renovada e está rodeada de árvores. Encanta os visitantes devido à sua simplicidade. Na verdade é uma rua rodeada de casas pequenas que desce a serra e por vezes se desdobra em pequenas ruelas. O caminho termina com um restaurante e uma piscina. Tudo o resto é xisto. De … Continue a ler O xisto amarelo e genuíno de Gondramaz

Candal para namorar ou passar o tempo

Candal impressiona logo à primeira vista. A forma como as casas estão integradas na serra, a sua disposição e os materiais de xisto e madeira fazem um retrato que se torna ainda mais interessante em dias de nevoeiro. A aldeia é um anfiteatro de casas que sobe uma encosta íngreme até ao miradouro. Daqui podemos contemplar as ruelas, a eira e as casas alinhadas em socalcos. … Continue a ler Candal para namorar ou passar o tempo

A aldeia fortaleza de Figueira

  Figueira é uma pequena aldeia fortaleza e mantém os traços genuínos do casario de xisto. O núcleo mais antigo está quase todo em “estado bruto” com poucos vestígios de modernidade. As casas estão concentradas junto a uma ribeira e alinhados ao longo do monte. Domina o xisto em ruelas muito estreitas, com traçado medieval. A aldeia foi construída como uma fortaleza. As casas estão juntas … Continue a ler A aldeia fortaleza de Figueira

São João em Rio de Onor

Rio de Onor é uma das aldeias transmontanas que mais preserva a sua identidade. Uma das festas tradicionais que preserva é a do São João, o orago da aldeia, que vai ser assinalada esta semana. Muito mudou nas últimas décadas mas Rio de Onor continua com o espírito comunitário. A maioria das casas mantém a traça original, são de pedra e o telhado de lousa. … Continue a ler São João em Rio de Onor

O anjo da guarda de Marialva

Marialva é uma das mais bonitas Aldeias Históricas de Portugal. Fica escondida no concelho de Mêda mas já foi uma das principais praças de guerra portuguesas. Em tempo de paz ganhou mais beleza e o património natural e cultural ajuda a seduzir os visitantes. O castelo fica no alto de um penhasco e a sua localização estratégica tem sido aproveitada, pelo menos, desde o séc. … Continue a ler O anjo da guarda de Marialva

Linhares está entre o céu e a terra

Entre o céu e a terra é a imagem que os residentes usam para melhor retratar o enquadramento do castelo, o símbolo maior da aldeia medieval que se ergue imponente a mais de 800 metros de altitude. O castelo é também o ADN de Linhares da Beira. Revela a robustez destas gentes ao estar assente num maciço granítico. A construção remonta ao séc. XI mas … Continue a ler Linhares está entre o céu e a terra

Aigra Velha e enigmática

Aigra Velha é muito pequena, tem meia dúzia de casas, mas é das mais enigmáticas e interessantes entre as várias aldeias de xisto desta parte da serra da Lousã. A maior parte das casas são térreas com portas de madeira e algumas guardavam animais. Ouviam-se cabras numa das casas e noutra um cão fazia imenso esforço para romper por debaixo de uma porta, ou pelo … Continue a ler Aigra Velha e enigmática

Sortelha eólica

Sortelha ainda vai dar em divórcio. Não se entende como permitiram a colocação de eólicas em zonas tão próximas da vila histórica. Fotografa-se a torre sineira ou a muralha na Porta Nova, com um pôr do sol lindíssimo, as pedras a refletirem a luz dourada, e o cenário de fundo são as pás das eólicas! Julgo que a deceção é ainda maior para quem conheceu … Continue a ler Sortelha eólica

Piódão só é Presépio em época baixa

  A Aldeia Presépio perdeu algum do seu encanto porque as ruas estão cheias de visitantes. O espírito de uma aldeia isolada, histórica, inserida num belo contexto paisagístico na serra do Açor foi fortemente condicionado por hordas de turistas. De todas as aldeias de xisto, o Piódão foi, talvez, a que teve mais sucesso e isso também tem um custo. Apesar disso, o Piódão merece uma … Continue a ler Piódão só é Presépio em época baixa

Foz d’Égua é um presente da natureza

Foz d’Égua é um encanto. Uma maravilha escondida na serra do Açor, a cerca de 4km do Piódão e é local de visita obrigatória. No Verão é bom para refrescar na praia fluvial, na Primavera para ver as giestas e outra vegetação em flor pela encosta acima, até a um altar de xisto. Em qualquer época do ano, para encantar os nossos sentidos através de … Continue a ler Foz d’Égua é um presente da natureza